SNG versus PEG

Sonda Nasogástrica versus Gastrostomia Endoscópica Percutânea

A desnutrição é um problema grave, que quando presente contribui para o aumento significativo da morbilidade e mortalidade. Pretende-se relembrar a temática da nutrição entérica através da SNG (sonda nasogástrica) e PEG (gastrostomia endoscópica percutânea) com especial atenção para a nutrição através de PEG, as suas indicações, vantagens, contra-indicações e cuidados a ter.

A via oral é o método preferencial para administração da alimentação, no entanto quando esta está comprometida, as vias de acesso podem ser através de SNG ou PEG. A PEG surgiu em 1980, sendo considerada um método simples e reversível. Em 1996 Norton B et al1) efectuaram um estudo prospectivo em que compararam a utilização de SNG versus PEG em utentes após AVC e concluíram que “a PEG é claramente superior à SNG e deve ser eleita a via para nutrição entérica na disfagia pós-AVC.” Actualmente e de acordo com as recomendações da American Society Gastrointestinal Endoscopy (2006), desde que o utente tenha um tubo digestivo funcionante e se preveja a necessidade de nutrição entérica por um período superior a 30 dias, a PEG deve constituir a via de eleição. As principais complicações associadas à PEG são a inflamação e infecção do estoma por extravasamento de suco gástrico, que pode ser tratada ou prevenida, na maioria dos casos, com cuidados adequados ao estoma. A contra-indicação absoluta que impossibilita a realização deste procedimento prende-se com problemas anatómicos (ex. gastrectomia total) que serão devidamente avaliados pelo médico gastrenterologista. Os principais cuidados a ter com a PEG são: limpeza do estoma com água e sabão; colocação de compressa limpa e seca até que a incisão cicatrize, deixando de ser necessária quando isso ocorrer; a rotação diária da sonda, assim como vigilância do seu posicionamento em relação à parede abdominal. Os restantes cuidados são sobreponíveis aos cuidados ao utente com SNG. A remoção da PEG é considerada em duas situações: o utente recupera a deglutição e a PEG já não é necessária, ou o utente não recupera a deglutição e após os 6 meses de colocação da PEG, pode ponderar-se a substituição por um botão de gastrostomia.

O utente com necessidade deste procedimento deve ser referenciado para a consulta de especialidade de Gastrenterologia, pelos meios habituais de encaminhamento de utentes, a solicitar avaliação/colocação de PEG. 

É possível melhorar o acesso dos utentes a este procedimento, de acordo com as actuais Recomendações, e contribuir para a melhoria dos cuidados prestados ao utente/família com PEG.

Preconiza-se actualmente que a PEG constitui a via de eleição para a nutrição entérica em utentes que não se podem alimentar por via oral por um período igual ou superior a 30 dias. A PEG proporciona um suporte nutricional adequado, sendo uma solução de baixo custo, de gestão simples e com baixa taxa de complicações. Comparada com a SNG, a PEG contribui para uma diminuição significativa de pneumonia por aspiração e refluxo gastroesofágico, aumento do conforto, melhoria da auto-estima e imagem do utente, traduzindo-se na melhoria da qualidade de vida.

1)A randomized prospective comparison of PEG and nasogastric tube feeding after acute dysphagic strok. Br Med J, 1996

c.s.s.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s